fonte: https://blog.maconequi.com.br/wp-content/uploads/2019/02/original-134d75c61ec5b75f8fc7c4b22d7ccc8a.jpg

Covid 19 e Fadiga

E então você se recuperou da COVID, já está em casa ou já voltou a trabalhar, mas tem uma coisa que não melhorou…o cansaço. O cansaço ou a fadiga pode persistir por mais de 60 dias após o início da doença e pode ter diversas causas.

Durante o período de infecção o organismo está combatendo o vírus de uma forma muito intensa utilizando os seus soldados, os glóbulos brancos ou Leucócitos, que produzem umas bombas chamadas interleucinas que atacam e destroem o vírus e as células que estão infectadas por ele. O  resultado desta batalha é um campo de guerra com diversos mortos de todos os lados, e muita destruição espalhada por todo o corpo. Estas armas (interleucinas) produzidas pelo corpo não somem da circulação rapidamente e os tais soldados ativados demoram longo período ate retornarem a suas casas e ao estado de repouso. Desta forma, estas interleucinas seguem causando o cansaço por um longo período.

Também ocorre durante esta luta contra o vírus, uma ativação da glândula tireoide, e se ela já for fraquinha ou estiver trabalhando no limite, ela poderá entrar em falência e deixa de produzir os hormônios tiroidianos e então se estabelece o cansaço, já que a Levo tiroxina (hormônio tiroidiano) funciona como uma Gasolina aditivada para o corpo. Outra glândula que também pode falhar é a suprarrenal e a produção de cortisona ser insuficiente, e levar a fadiga. 

O envolvimento neuropsicológico decorrente de diversos fatores, como o excesso de informações ruins diariamente e varias vezes ao dia, numero exagerado de mensagens em mídias socias, ao que chamamos de Infodemia, pode levar ao Transtorno de Ansiedade Generalizada, insônia, depressão , irritabilidade, alterações de memória, que somados ao cansaço físico levam ao cansaço mental piorando a sensação de fadiga.

Para a recuperação da fadiga, indicamos alimentação rica em micronutrientes como Zinco, Calcio, Magnésio, vitaminas B12 e vitamina D3, repouso físico intercalado com atividades físicas de baixo impacto e curta duração e o tratamento das doenças orgânicas que se apresentaram. Mas não se preocupe, o pior já passou…

 

Dra. Selma Merenlender

CRM52-48425-2

Médica Reumatologista

Diretora técnica Centro Multidisciplinar Fluminense/Imunofluminense

Presidente da SRRJ Biênio 2017/2018    dra.selma.reumato@centrofluminense.com.br