Fonte: https://www.labornews.com.br/fx-files/images/big/614_plgNewsPoster.jpg

Doenças reumaticas e COVID

       Muitas pessoas tem perguntado sobre o risco de agravamento da COVID 19 em pacientes portadores de doenças reumáticas. Na verdade o maior fator de risco não esta na doença reumática por si só, mas principalmente nas medicações que se utilizam para tratar estas doenças.

       Se você é um paciente portador de doenças osteometabólicas, como Gota, Osteoporose, Osteodisplasia, Pseudogota e outras, o seu risco é semelhante ao da população geral na mesma faixa etária. 

       Se você é portador de doenças reumáticas degenerativas como a Osteoartrite (artrose), o seu risco é idêntico ao da população na mesma faixa etária

       Contudo, se você é portador de uma doença autoimune, além da doença existe o risco das medicações levarem a imunossupressão, ou seja, dificuldade do seu organismo em combater infecções. Dependendo da medicação que você usa e a dose, são classificados os pacientes desta forma:

Não imunossuprimidos : pacientes em uso de sulfassalazina  e hidroxicloroquina, mesalazina, acitretina em qualquer dose ou corticoides tópicos na forma de pomadas e cremes ou locais (infiltrações).

Grau leve de imunossupressão: uso de prednisona em dose menor ou igual a 20mg ao dia, ou metotrexato menor ou igual a 20mg por semana, ou leflunomida 20mg ao dia.

Alto grau de imunossupressão: uso de prednisona em dose maior do que 20mg ao dia, pulsoterapia com metilprednisolona, micofenolato mofetil, ciclosporina, tacrolimus, azatioprina, ou biológicos (infliximabe, etanercepte, golimumabe, certolizumabe, adalimumabe, abatacepte, tocilizumabe, ustequinumabe, belimumabe, secuquinumabe, ixequizumabe, guselcumabe, Rituximabe), inibidores da JAK (tofacitinibe, baricitinibe, upadacitinibe). 

 Porém com o desenrolar da epidemia, não estamos observando um risco aumentado, mesmo naqueles pacientes em uso de imunobiológicos. E reforçando que a Hidroxicloroquina não torna o paciente imune ao vírus, é importante manter as medidas como afastamento, lavar as mão, uso de álcool gel, e se apresentar TOSSE e Febre, buscar assistência médica o mais rapidamente possível. 

 

Dra Selma Merenlender CRM 5248425-2

Responsável técnica CMF